UNIR A CLASSE COM BENEFÍCIO COMUM

27-02-2014 08:49

https://fbcdn-profile-a.akamaihd.net/hprofile-ak-ash2/t5/s48x48/1087026_212733188908013_1128480113_q.jpg

ASMIP - Associação dos Mediadores do Imobiliário de Portugal

25 de fevereiro

Na sua essência o associativismo, qualquer que seja, é um agregador e organizador de pessoas em torno de um objetivo, e de um bem comum. Para tal a sociedade, ou um grupo específico, quando sente necessidade de crescer enquanto indivíduo ou grupo de indivíduos organiza-se desta forma para potenciar a sua força e lograr atingir os objectivos perseguidos individualmente. Este tipo de projetos não se pode sujeitar a ser capturado por apenas alguns elementos desse grupo, sob pena de prejudicar, irremediavelmente o motivo primeiro pelo qual se reuniram. Não deveria acontecer, mas o ser humano tem destas coisas, não só neste tipo de organização como em todas as outras, qualquer que seja o tipo de sociedade mais ou menos aberta. 
Esta constatação sendo um facto, não impede porém que elementos do mesmo grupo não concordem e manifestem publicamente essas ideias. É o processo democrático a funcionar e foi o que fizemos quando criamos esta página há uns meses atrás. O resultado final está e estará aqui reunido para memória futura, como única forma de demonstrar evidências que só não vê quem não quer, apesar de esse projeto ter tido o seu tempo e estar terminado.
Contudo, na sequência desse primeiro projeto e do crescente descontentamento de muitos nossos consócios, surgiu a necessidade de dar continuidade à indignação, o que foi feito através dos meios legais ao dispor de qualquer cidadão que se sente prejudicado, individual ou colectivamente. Neste caso trata-se do colectivo, do interesse comum, o que nos leva para um outro patamar de exigência.
Surgiam logo à cabeça duas questões que levantavam muito indignação junto dos nossos consócios porquanto havia seguros e formações mais económicas no mercado que no seio do existente grupo associativo, que assim não trazia as vantagens dele esperadas.
Imbuídos desse espírito de fazer mais e melhor, investigamos as possibilidades de criar melhores condições, e elas surgiram. Neste ponto deparamo-nos com uma questão fundamental uma vez que tínhamos os meios e as condições mas não tínhamos personalidade jurídica de suporte, aliás essencial para protocolar com as entidades competentes. Neste contexto começava a fazer sentido a criação de uma alternativa com personalidade própria e que pudéssemos ser um catalisador, e ponto de encontro de todos os que achavam e acham estarem deficientemente representados. 
Não foi fácil vencer esse obstáculo. Criar uma nova entidade associativa na classe da mediação imobiliária, além dos riscos inerentes à própria crise que atravessámos, seria de certa forma um tiro no escuro, não faltando pelo meio os que considerariam estar-se a criar alguma divisão. Assim, pesámos todos os prós e contras. Havia a alternativa de deixar “correr o marfim”, mas não estaríamos de bem com a nossa consciência, que deve sempre a última coisa que um homem deve trair, quanto mais em representação de um grupo alargado. 
É neste momento que nos vem à memória a célebre frase de Francisco Sá Carneiro na Assembleia Nacional: “O que não posso, porque não tenho esse direito, é calar-me, seja sob que pretexto for.”, e com ela o argumento final para o pontapé de saída de uma nova ideia e instrumentos reais ao serviço do associativismo na Mediação Imobiliária em Portugal, com redução substancial de custos para os aderentes, mas sem perda de qualidade dos serviços prestados.
Assim nasceu a ASMIP – Associação dos Mediadores do Imobiliário de Portugal, com o objetivo de unir os mediadores que a ela se queiram juntar e crescer em conjunto na procura de mais e melhores soluções para a classe, no mercado, na tutela e enfim junto dos consumidores, aqueles para quem em última instância trabalhamos. Esse percurso permitirá fazê-lo com profissionais, melhor formados, mais capazes, credíveis e com mais e melhores garantias de bons negócios aos seus clientes, potenciando assim a credibilização do sector no mercado.
Neste contexto, a partir de hoje esta será a página institucional da ASMIP, uma das suas portas de comunicação abertas ao exterior, associados ou público em geral, onde procuraremos apresentar a todos os que nos visitem situações do seu interesse a nível do mercado imobiliário, bem como da vida associativa desta jovem organização.
Contamos, e agradecemos desde já a visita que nos fez/faz, e esperamos pelo contributo de todos os que queiram contribuir com o seu testemunho ou ideias