O PANORAMA IMOBILIÁRIO EUROPEU

18-02-2014 22:04

Depois de uma boa parte da Europa ter vivido uma bolha imobiliária e, sobretudo, de ter passado por um período em que os créditos concedidos para habitação eram quase de graça (com juros muito baixos) e fáceis de conseguir, não é de estranhar que o Banco Central Europeu (BCE) queira conhecer como funcionam as estruturas da propriedade imobiliária dos países da Zona Euro e que semelhanças e diferenças há entre eles.

Além de querer saber quantas famílias têm casa própria e quantas vivem numa casa arrendada, o BCE analisou pela primeira vez outros parâmetros num inquérito feito nestes países. 

inquérito analisou o valor médio das casas compradas, se têm ou não créditos à habitação por pagar, a reação existente entre as receitas e despesas dos seus habitantes, entre outras variáveis, escreve o jornal espanhol Cinco Días.

É certo que os dados não serão todos recentes uma vez que não existe uma homogeneidade na informação estatística disponibilizada pelos vários países. De uma forma geral, os dados recolhidos são de 2010, mas também é certo que este tipo de informação não costuma mudar muito de ano para ano.

O BCE concluiu que na Zona Euro 60,1% da população reside numa casa própria enquanto 39,9% arrenda casa. Espanha, com quase 83% da população a possuir casa própria, é um dos países com maior rácio de proprietários, só ultrapassada pela Eslováquia, onde 90% da população vive em casa própria.

Estes dados contrastam com o número de famílias que vive em casas arrendadas, por exemplo, na Alemanha onde 55,8% da população optou pelo arrendamento, na Áustria (52,3%), em França (44,7%) e na Holanda (42,9%).

O BCE não entra em detalhes sobre as possíveis razões para este facto, no entanto, noutros estudos reconhece que além dos fatores meramente culturais de cada país, as políticas públicas levadas a cabo pelos diferentes governos foram determinantes na hora de incentivar a compra ou o arrendamento.

Também pela primeira vez o BCE revelou a percentagem de população que tem uma segunda casaEspanha volta a destacar-se com 36,2% dos proprietários a possuírem uma segunda casa, percentagem apenas superada por Chipre, com 51,6%, e a Grécia, com 37,9%.

Uma vez mais, os números contrastam com os dados de países como a Holanda, onde apenas 6,1% dos proprietários possui uma segunda casa, a Áustria (13,4%) ou a Eslováquia (15,3%). Quanto às duas grandes potências europeias, apenas 17,8% das famílias alemãs dispõem de uma segunda casa e só 24,7% dos lares franceses têm uma segunda habitação (uma percentagem semelhante a Itália – 24,9%).

Além desta preferência, ou não, por comprar casa o BCE quantifica também que percentagem dessas casas tem ainda empréstimos para pagar e quais estão já pagas.

A média europeia é que dos 60% das pessoas que vivem numa casa de sua propriedade, 40,7 % já a tem completamente paga e 19,4% ainda tem prestações para pagar